WMP Brasil forma multiplicadores em escolas públicas de Niterói

Por: Flávio Carvalho

A equipe de Engajamento Comunitário do World Mosquito Program (WMPBrasil) dá início a novo formato de engajamento, em instituições de ensino públicas das novas áreas de expansão em Niterói, nos bairros de Santana, São Lorenço, Engenhoca, Cubango e Fonseca. Através do Programa de Formação Continuada de Professores tem como objetivo promover e contribuir para o conhecimento dos profissionais, visando a formação de multiplicadores no território, no contexto da divulgação científica e popularização das ciências.

A iniciativa é uma parceria entre o WMP Brasil e a Secretaria Municipal de Educação (SME) de Niterói. Inicialmente, aconteceram reuniões com integrantes do Núcleo de Ações Integradas (NAI) da Fundação Municipal de Educação de Niterói (FME), com diretores e coordenadores pedagógicos das instituições de ensino e em seguida, a realização de  oficinas com os professores da rede de ensino. Os profissionais terão acesso a diferentes materiais e sugestões de atividades educacionais que possam auxiliá-los dentro de sala de aula ao abordar as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e o método Wolbachia, como forma complementar de combate a dengue, Zika e chikungunya.

A professora da Unidades Municipais de Educação Infantil (UMEI) Neusa Brizola, Andréia Mendes, acredita que o primeiro passo é passar esse conhecimento de forma clara para os pais. "Já para quem trabalha com educação infantil é preciso apresentar esse tipo de controle de uma forma mais lúdica. Contando histórias, numa lógica científica, para que a criança se interesse e leve para o lar dela a história como um todo e assim contagiar a família para que eles abracem o método Wolbachia", explicou a professora. 

Em Niterói, as oficinas terão a participação de cerca de 500 professores de 20 instituições de ensino públicas dos novos bairros de atuação do WMP Brasil no município. Os profissionais compreenderão como funciona o método Wolbachia e como é realizado o trabalho do WMP Brasil, bem como conhecer como o Engajamento Comunitário da iniciativa aborda de forma criativa o método e assuntos relacionados à saúde, ambiente e qualidade de vida. Os cinco novos bairros têm uma população com mais de 100 mil habitantes e uma média de 5.600 alunos matriculados nas 20 escolas que participarão das atividades. 

O professor e biólogo, responsável por atividades ambientais promovidas pelo NAI, Carlos Eugênio Bustamante, acredita que essa formação continuada pode contribuir com novos conhecimentos sobre o controle de doenças. "Essa atividade leva informação e conscientização para os professores, alunos e famílias, mostrando que esse método colabora para diminuir os casos de dengue, Zika e chikungunya", afirmou Carlos Eugênio. 

Com essa iniciativa, espera-se tornar o professor e o aluno multiplicadores e agentes de transformação em seus territórios. A ideia é incentivar ações de educação ambiental e divulgação científica, ajudando no combate às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, promovendo assim o direito à informação dos moradores sobre o método Wolbachia, forma inovadora e autossustentável de combate a dengue, Zika e chikungunya. 

Em conversa com as Coordenadorias Regionais de Educação (CRE) do Rio de Janeiro, essa forma de replicação da informação nas escolas deve ser expandida para locais no Rio em que ocorrerão novas liberações de Aedes aegypti com Wolbachia.